Heitor Villa-Lobos nasceu de 7 meses em 1887 numa casa de vila na rua Ipiranga em Laranjeiras na cidade do Rio de Janeiro.
Seu pai, Raul era funcionário público, violoncelista amador, severo e ao mesmo tempo grande incentivador da vocação musical do pequeno Tuhú, apelido familiar de Villa-Lobos.
A Mãe, Noemia, figura dedicada ao único filho homem mas castradora da inclinação musical do filho que queria ver formado em medicina.
Auto didata, tendo freqüentado vários cursos de musica sem concluir nenhum, Villa saiu de casa cedo e foi viver com sua Tia Fifina onde foi apresentado a musica de Bach – sua grande influencia europeia em toda a sua carreira.
Sumiu de casa por 5 anos se embrenhando pelo interior do Brasil numa viagem ao mesmo tempo didática e mítica da qual os registros são escassos e pouco verossímeis.
De volta ao Rio casou-se com a pianista Lucilia Guimarães e foi trabalhar em salas de espera de cinema, circos e cabarets como violoncelista.
Conheceu Arthur Rubinstein que, com a ajuda de Otavio Guinle conseguiu que o jovem compositor fosse viver uns tempos na França para aperfeiçoar-se no oficio.
Participou da semana de arte moderna de 1922 em São Paulo, onde provocou grande escândalo e recebeu as maiores vaias entre todos os participantes. Era o único assalariado do movimento.
Sob a proteção de João Alberto – presidente de São Paulo – e a convite de Anisio Teixeira entrou para o serviço público e terminou chefe do SEMA – Serviço Musical do Estado – no Rio de Janeiro onde criou o ensino obrigatório de canto orfeônico em todas as escolas do país e promoveu concentrações de corais de crianças chegando a reunir 40.000 crianças no Estádio de São Januário cantando em coral de 4 vozes.
Apaixonou-se perdidamente por Arrminda com quem viveu por 22 anos e dedicou o melhor de sua obra: todas as famosas Bachianas Brasileiras.
Compôs mais de mil peças entre as quais óperas, trilhas sonoras de filmes, opereta para a Broadway, sinfonias, sonatas, quartetos, estudos e preludios para violão, musica para ballets, o famoso guia prático para piano, 11 Choros , e 9 Bachianas.
Consagrou-se como um dos compositores mais importantes do século XX e dirigiu as principais orquestras do mundo, tendo sido regente titular de varias orquestras destacando-se a Orquestra de St. Louis nos Estados Unidos.
Morreu de câncer no aparelho digestivo no hospital da beneficência portuguesa no Rio de Janeiro em novembro de 1959.